terça-feira, 13 de outubro de 2015

Doce Desvario



DOCE DESVARIO

De forma alguma atenua
A avidez deste desejo
De lamber a pele tua
E degustar o teu beijo.


Deixa que, sonhando, eu pense,
Abastado de ilusão,
Que o teu corpo me pertence
No fervor desta paixão!

Deixa-me sonhar, enfim,
E sonhar, sonhar... até
Nada mais restar de mim.

Neste doce desvario,
Seja eu o igarapé
Desaguando no teu rio.

(R.M. Cardoso)




Encontro com a poesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário