quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Mentirosos, não apenas!



Mentirosos, não apenas!

Esta coisa de palavras aqui
Palavras ali
Já vinha me fazendo crer
"O amor é base fundamental"
— falso axioma...
O amor é a chave do anormal
chave do redoma
Nos dá prazer de sofrer...
É pelo pressuposto de amar
Que continuamos a nadar
Continuamos a falhar
Continuamos ciosos no ciclo vicioso
— ciclo de enganos...
Somos mentirosos!
Mentirosos, apenas!
Um mar de ondas que espuma devaneios.
Ninguém sai de si e se entrega.
No preto
No branco
Somos uma coloração que se nega
Somos uma especulação cheia de recreios.
Nossas incertezas são as verdadeiras mães de tudo
Tudo quanto o nada nos suscita a baralhar.
Fácil é crer do que ver
Quando se trata de amor
O recomendável (e melhor)
É ver e depois crer
Melhor ainda
É logo crer...
Não querer nada saber
Não saber
Sentir
Apenas
Confiar tudo nas mãos da cegueira
Nas asas da loucura
Mentir
Não apenas
Ficar sóbrio de coração
Fazer do corpo o obreiro da paixão
A alma — o cancioneiro da amargura...
...os pés pela cabeça
Amamos
E a vida é suportável
Suportável porque somos mentirosos...
Mentirosos, não apenas
— amamos!


Moisés Jalane

Nenhum comentário:

Postar um comentário